quinta-feira, 2 de abril de 2009

Son of Dave (de novo...)

Eis que depois de tanto ouvir falar do cara, e de ver clipes legais no youtube, a Clara me mandou o link pro CD do Son of Dave.

Ouvi e re-ouvi o CD ontem no carro e entendi pq me mandaram :-)



Pq a gaita não é o mais importante ali, embora seja muito bem tocada. A proposta ali foi trazer o blues pro século XXI e além de dar uma roupagem mais moderna e mais misturada com outros estilos (especialmente o funk), o resultado foi um CD com algumas músicas realmente muito palatáveis.

Eu entendo que a comunidade blueseira tradicional tem uma certa tendência a ser menos susceptível a novidades e misturas. Me vêm à cabeça pelo menos dois bons exemplos. Um do Jefferson comentando num workshop que "o público de blues às vezes é mais purista que o público de heavy metal", e é a mais pura verdade. A outra, da apresentação do Ferrari no SESC Pompéia, quando ele tocava com o pessoal do "Compadres", onde ele tocou uma versão de "all along the watchtower" usando e abusando de pedais.

No caso dessa apresentação, a reação do público, eu me lembro, não foi boa. Mas acho que o Leandro fez o certo. Tocou a onda dele. Se o público vai ao festival de harmônica e não entende que harmônica não é necessariamente blues, são outros 500.

Risco duplo. Tocar uma onda eletrônica prá um público tradicionalista que curte equipamentos vintage e whisky de milho, e refazer uma música do Dylan, ainda que tenha ficado psicodélica na mão do Hendrix. Afinal, tecnicamente, Dylan era gaitista. (tecnicamente, IMO).

É um risco que Son of Dave não assume quando abre o CD com uma música que diz "Old times were good times". Son of Dave fica então num meio caminho entre a música puramente analógica, hipercriativa e tradicionalista do Hazmat Modine, e a música eletrônica de vanguarda do Ferrari. Son of Dave dialoga nas duas pontas e diminui o risco de rejeição nas duas pontas, agradando gente como eu que já ouviu blues tradicional demais e que gosta de abordagens novas para a gaita.

O risco de Son of Dave, da mesma forma, é não agradar ninguém ficando no meio do caminho. Pq a onda eletrônica do Ferrari abre portas para ele nos Skol Beats da vida, e Hazmat Modine abre outras portas do outro lado oposto.

De qq forma, vale a pena conferir e ver se Son of Dave tem o fôlego necessário. Se sua proposta tem substância que faça durar. Mas se não durar também, já é um CD muito bom, e só isso já basta.

12 comentários:

  1. Gostei tanto do Son of Dave que fui procurar outros cds e achei o 02 Aqui o link http://rapidshare.com/files/51326981/Son_of_Dave.hoycomisandia.blogspot.com.rar

    Agora dá pra comparar, ainda não ouvi a fundo, mas já sei que gosto mais do 03, por escutar menos blues ultimamente.
    No geral gosto do estilo dele acho importante modernizar o blues sim e é bacana a mistura que ele faz.

    beijo

    ResponderExcluir
  2. Legal, entendi o que quis dizer. Só achei que minha apresentação no SESC tinha sido bacana, pelo menos várias pessoas me aplaudiram de pé e recebi elogios do Flávio Guimarães, Thiago Cerveiras, Julio Rego. Tudo bem, o Chico Blues não me aplaudiu, mas aí não conta.... kkkk. Pra te falar a verdade até eu ler seu texto achei que tinha feito um das minhas melhores apresentações.
    Fiz um show acústico e além de Dylan toquei Hendrix, acho que quem curte equipamentos vintage e whisky de milho curte essa onda também não? Lembro-me até de um maluko, o “Sadam”, que assistiu ao show de joelhos..... kkkk ...por que eu estava tocando Hendrix.. Estávamos no mesmo show?
    Usei no acústico: gaitas menores e dois pedais, pois no geral não me importa o que estou tocando, desde que seja boa música. Acho que tem que sacar mais meu som, ir aos meus shows. Inclusive quando toco Blues/Funk com o Hot Spot e uso meus pedais. A galera curte; nenhuma rejeição, nenhum risco; sinto-me respeitado e livre! Grande abs!

    ResponderExcluir
  3. sua apresentação no SESC (a primeira) foi bacana, mas do lado do público, a recepção visivelmente não foi tão empolgada quanto das demais de blues

    claro que bons gaitistas tinham mesmo que te congratular pq vc é um bom gaitista ;-)

    ResponderExcluir
  4. Cara incrível esse Son of Dave, sempre quiz ouvir alguma mistura eletrônica com o blues e não me decepcionei. Mas o lance é que os fãs mais fiéis de blues não gostam e não entendem o quanto isso é importante pra difundir tanto a gaita como o blues. Mas ai já é questão de gosto.

    ResponderExcluir
  5. Saquei Kenji. Pois é, acho que tomei muito "Whiskey" de milho aquele dia então e nem vi nada, só fiz meu show e curti a noite, como sempre! A propósito Son of Dave é foda!

    ResponderExcluir
  6. expect the best
    be prepared for the worst
    fuck what others think
    and do your own thing

    ResponderExcluir
  7. Cara, depois da minha amnésia eu acabei me lembrando de algumas coisas sobre aquele show. Me lembro que quando terminei as pesoas educadamente bateram palma e o Chico Blues subiu e fez um péssimo comentário, sobre meu show e algumas pessoas até ficaram chateadas. Outra coisa foi que o Ivan Márcio outo dia disse que achou que eu estava usando Play Back...kkk..rimos muito! Mas é isso, é o preço por querer ser diferente...mas afinal uso uma Bends...kkk!!! Concordo contigo, me lembrando desses detalhes! Essa mensagem aí é pra mim? Meu inglês é uma bosta! Mas espero que esteja recebendo bem, tambem, meus civilizados comentários! É que tem falado tanto meu nome aqui que estou lendo seu blog sempre agora, claro! Vc me ama, não ama? Brincadeira! Grande abs compadre!

    ResponderExcluir
  8. expect the best
    be prepared for the worst
    fuck what others think
    and do your own thing

    espere o melhor
    esteja preparado pro pior
    foda-se o que os outros acham
    e faça o que vc curte fazer

    ;-)

    ResponderExcluir
  9. Eu gosto muito do som do Leandro, pena ele não tocar tanto pras bandas de cá.
    Não tem jeito preciso mesmo ir a BH :)

    beijo

    Clara

    ResponderExcluir
  10. Acho que nos shows do SESC as melhores apresentações são aquelas que surpreendem pela inovação. Este ano tivemos o otimo show do Franco Luciani, mas tivemos tb em outros anos o Julio Rego em um show de percussão e gaita, O Vitor Lopes, O Otavio Castro, o Mark Ford (que mesmo sendo um bluseiro tem seu diferencial), o Ferrari (que quebrou tudo) entre outros... Ainda bem que o festival de harmonicas permite musicos que mostre a gaita em outros conceitos, e espero sinceramente que continue para sempre...

    ResponderExcluir
  11. Andre Kassu11/08/2009 09:49

    Uma pena achar esse link e essa troca de mensagens tão tarde. Mas, se ainda der pra comentar...
    Eu gostei muito do Son of Dave. Pq dá a chance de modernizar o som e quem sabe algumas pessoas procurarem através dele, outros músicos de blues.
    Leandro, as críticas sempre acontecerão para quem tenta o diferente. Eu, qd tocava com banda, sempre ouvi. Que o meu som era pesado, q eu não respeitava os mestres da gaita. Sobre o meu grande amigo Jefferson, já ouvi, tb. E ele deixou de fazer? Nada. Firme e forte em busca de renovação. Vc é importante para renovar esse cenário. Grande abraço a todos.

    ResponderExcluir
  12. Eu sou fã de carteirinha do SoD. E de Facebook também ;)

    ResponderExcluir