domingo, 30 de dezembro de 2007

A origem do termo Gus

"Gus" eh um termo usado em ingles comoe substantivoe e como verbo. Em geral, se refere a aquele gaitista iniciante que acredita que toca prah caramba e insiste em querer tocar com a banda oficial ou, se nao ganha um espaco no palco, toca junto com a banda do publico mesmo. Em geral com a gaita no tom errado.
Esse e-mail de 96 pelo jeito foi o e-mail que criou esse termo, hoje em dia muito bem estabelecido.
Abracos de Toronto,
Bresslau

From: "Barry B. Bean"
Date: Mon, 18 Mar 96 09:16:19 EST
Subject: Gig notes


I broke a cardinal rule this weekend. I let a harp player I'd never
heard walk up in mid-set and gave him a mic.

Now you'd assume that someone walking up and asking to sit in wants to
play the same sort of music the band is already playing, right? You'd
assume that you could just launch into the next song on the set list
and simply hand the solos over to the guy sitting in, right?

Whoah, nellie!

My man Gus (a mountain of a man, complete with with crewcut and
gravelly voice) walks onto the stage, whips out some sort of a chord
harp and says "Oh Suzanna, boys!" After 3 or 4 verses of oh Suzanna,
we thank him profusely and start to vamp on the next song (Further on
up the road). Before we can get into it, Gus announces that his next
number will be You are My Sunshine. Again, we thank him and try to
start our next song, but Gus isn't leaving. He says "one more boys!"
and launches into Blue Eyes Cryin' In the Rain. Finally he leaves the
stage and we gat back on with the show.

So its back to the old "audition during break" rule for us. Sheesh.

BBB
-
B.B. Bean - Have horn. Will travel.


From: "Barry B. Bean"
Date: Thu, 16 May 96 18:29:32 -0500


I think maybe we should coin an expression here. Gus, like Bogart
could serve as both a noun and a verb:

Gus: (gus) N. 1) An amateur harmonica player who forces professional
musicians to accompany him in inappropriate situations. 2) A visiting
musician (see: sit-in) who does not leave the bandstand at the
appropriate time. 3) A musician whose skills are substantially below
those of the other musicians onstage with him. Ex.: Don't look now,
but there's a Gus at 3 o'clock.
V. 1) To force one's way into a musical performance against the
wishes of the scehduled performers. 2) To remain onstage for longer
than appropriate when asked to accompany previously scheduled
musicians. Ex.: Primich was great last night but some old codger
Gussed his way onstage and played Oh Suzannah.
-
B.B. Bean - Have horn. Will travel.

_______________________________________________
Harp-L is sponsored by SPAH, http://www.spah.org
http://harp-l.org/mailman/listinfo/harp-l

quinta-feira, 27 de dezembro de 2007

podcast da barbearia!

finalmente!

no primeiro programa, já tem a gaita honesta do Steve Levine e a sensacional voz do N.J . Warren...

sábado, 22 de dezembro de 2007

Janeiro em Tiradentes promete!



update (26/12)

3ª TEMPORADA DE BLUES - TIRADENTES MG - JAN 2008
Conseguimos fazer a terceira edição de nossa Temporada de Blues aqui na Cidade !

Este ano a programação será muito boa e vamos disponibilizar os vídeos de imediato na net, porém ainda vou ver o site onde será feito isto e aviso a galera.

Agora o melhor seria ver tudo ao vivo e a cores e em "stéreo-natural-dolby" !!

Para quem se interessar em vir a Tiradentes, existe a Pousada São José del Rei, que apoia nossa temporada há 3 anos seguidos e tem "precim" massa para viabilizar a viagem :

R$ 110,00 por noite para casal com café da manha !
Falar com Ivan, no fone 32 3355-2275.

Para chegar de BH, pode vir pela Viação Sandra, de ônibus, deve estar por volta de R$ 37,00 a passagem, mas quem quizer, e puder ter, conforto e rapidez, existe vôo diario da Total, saindo de Pampulha, as 15 hs, a R$ 100,00 por passagem.

Para quem quizer vir de carro, são 185 km da Savassi até o centro de Tiradentes, esta viagem já decorei ... Sem pedágios ainda !

Vai até Congonhas ( terra de Aleijadinho ! ) pela BR-040, e entra para Tiradentes pela MG-383, e anda mais 100 km e chegou !

É isso ai, o resto agora é trabalhar, ou seja ligar os plugs e levantar as palhetas e o resto vai no automático...

No Conto de Réis, o Serjão é contra reservas, então quem chegar cedo senta e toma uma gelada das 12 marcas de cerveja, ou das 70 marcas de pinga, que ele tem lá e espera...

Abraços a todos e Feliz Natal com 2008 cheio de realizações artisticas para todos, são os votos da Yellow Cab Blues Band !


thanks Ted!

com certeza eu apareço no primeiro dia! (um amigo meu tem casa em tiradentes, então vamos ficar por lá! yuhuuuuuuuuuuuu)

quarta-feira, 19 de dezembro de 2007

blues @ tiradentes

fuçando no orkut, olha o que eu achei

*3ª TEMPORADA DE BLUES DE TIRADENTES - CONTO DE RÉIS*
YELLOW CAB convida GUSTAVO ANDRADE
11 e 12 de Janeiro – SEXTA e SÁBADO – 21h
Conto De Réis Biritaria
Largo das Forras, 65 - Praça Central - Tiradentes • MG
Informações: (32) 9981-9025


ano passado, teve um festival de blues em Tiradentes que foi show de bola. Pelo jeito, ainda rende alguma coisa no começo deste ano.

se eu puder, pode apostar que eu vou. Tiradentes é um pedaço do paraíso na terra.

faça sua poupança

2008 começa em grande estilo, com o lançamento do cd do gaita-l em campinas em JANEIRO e o fórum harmônicas brasil, sediado no ceará, um dos maiores festivais de gaita do país, em FEVEREIRO...

Pelo jeito, os gaitistas se comportaram direitinho em 2007, pq o Papai Noel veio bem gordo ;-)

lembre-se que a GOL parcela em até N vezes a passagem ;-)

segunda-feira, 17 de dezembro de 2007

da Argentina

de gaita, eu conheci rapidamente o pessoal da gaita numa pizzaria. Na verdade, não conversei com nenhum deles quase porque tava tarde, eu não falo espanhol e eles não deram muita trela também. Normal.

de show, eu fui apenas em um, mas ótimo, que valeu por muitos, da Hot And Black Band, com o impressionante prof. Matias Fernandez na harmônica, barra pesadíssima o rapaz.

show imperdível.

filmamos alguma coisinha, mas nada que faça jus.

quarta-feira, 12 de dezembro de 2007

Um excelente vídeo com XB-40 e todo mundo de férias

Bem, eu ainda não estou de férias. Só depois da última prova na sexta de manhã. Mas por causa dessas provas é que eu também não vou escrever muito por aqui nos próximos dias. Depois, até o ano novo, estarei em tour pelos EUA e Canadá, então não sei quando postarei.
No meio tempo, o Kenji tá na Argentina, então não esperemos novidades da parte dele também.

Por isso deixo com vocês o melhor vídeo com a XB-40 que eu já vi, com James Conway. Além de arrebentar na XB, o cara se auto-acompanha no violão. Nem um pouco fraco.

sexta-feira, 7 de dezembro de 2007

double stop

A stop is the corner web of your mouth. If you were to get your tongue skinny enough to block out ONE note and play a note on each side, this would be a double stop. WHEN the webs at the corner of your mouth only let the note on each side sound and what you get is TWO notes (one on each side of the one you blocked with your tongue). Since there are TWO notes, this is a DOUBLE stop.

If you were to block one middle note and sound either ONE note on one side and TWO notes on the other side (doesn't matter WHICH side) this is ALSO a double stop. Reason? The 'double is done by the webs at the corners of your mouth.

If you were to block out TWO central notes, and play one (or MORE) notes out EACH side, this is STILL a double stop. In other words, ANY combination of notes qualify as long as they are on both sides of another note or series of notes.

smokey-joe


eu mesmo nunca soube direito o que era double stop ;-)

avaliando cuidadosamente a bends juke

fantástica :-)

é o meu veredicto

só não me pergunte por quê!

ok, vou te dizer pq

vedação jóia

timbre jóia

resposta jóia

é bem pessoal, eu sei. mas eu curti :-)

e opa, tá melhor que a juke que eu toquei em janeiro!

(agora vamos ver qto tempo ela segura a afinação!)

opinião pessoal: por mim, a bends podia fazer só jukes que tava ótimo!

Ontem no Big Owl

Lugarzinho prá lá de simpático. Dono gringo com fixação por corujas. Rango muito decente. Preços justos. Vinhos a preços bacanas, uma porção de 5 cogumelos recheados com queijo divinos, um hambúrguer imenso e legitimamente americano.

Mas o bom mesmo foi o show da Carol cantando (eu nunca tinha visto um show só dela) com o Shellão na guitarra e o Jamaica no baixo branco que a Lud batizou 13 anos atrás de Oscar, que não era o anunciado baixo acústico grandão, infelizmente.

O show, ao contrário do que eu esperava, foi bem descontraído, com várias canjas do Ney "Cocão" na gaita e voz, com a Carol reafinando a banda (hilário), mas um repertório filé. Diversão garantida. Filmei quase tudo (tava desprevenido), depois a gente vê se rola alguma coisa pro youtube.

Se não me engano, todo começo de mês no Big Owl, que rola. Indo prá Nova Lima.

Bends Juke

Chegou minha juke em A, comprada da loja do Morenno

Eu não tinha visto ainda a "caixinha oficial" (só os protótipos de 1 ano atrás) e eis as impressões antes de tocar, pq eu tô no trampo

- manual bom.
- tons com adesivos, excelente.
- correntinha, prá quem quiser pendurar a gaita
- capinha com lencinho de tecido bacana e leve
- caixa bonita

ou seja, em termos de apresentação, tá filé

a gaita

- o corpo de madeira é um pouco áspero e estranho (que madeira que é?)
- as placas estão presas com 3 parafusos bem posicionados
- de longe lembra o aspecto de uma free blues vitaminada, basicamente o mesmo do meu protótipo.

já o som, aguarde...

Método "Toots" de treino de gaita

Bem, para se tornar um bom gaitista, é necessário 3 coisas:
  • treino
  • treino
  • treino
Então nada melhor do que seguir o método do próprio Toots Thielemanns:

terça-feira, 4 de dezembro de 2007

Estação Blues Sexta e Sábado em BH


A minha banda - Estação Blues - com a presença de Cristiano Crochemore nas guitarras toca em BH dias

07/12 (sexta)
Status Livraria (Savassi, perto do MC Donald's, R$ 7,00, 21:00),

08/12 (sábado)
Squash Pub (Escola Mineira de Squash, Rua Yvon Magalhães Pinto 383 - São Bento, esquina com a Raja, dia 08/12, 15:00H, em festa da academia de squash)

08/12 (sábado de novo)
No FREUD, em Nova Lima, nos hoários de sempre da casa.

Tocamos no Festival de Blues no Rio com Blues Etílicos e Maurício Sahadi há 15 dias. Quem quiser conferir ( e de repente canjear...) apareça.

Abraços,

Helio Vieira Jr.


não só recomendo como devo ir no show de sexta :-)

boa nova prá 2008

ontem eu tava numa reunião com o ferrari (que vcs conhecem), a cris (que mantém uma comunidade no orkut e um programa de rádio sobre blues) e outros entusiastas planejando um espaço num bar bacana da cidade para o blues. E atacando de todos os lados. Ferrari na parte profissa da coisa, negociando com as boas bandas de blues da cidade, eu com a outra ponta, com o projeto da barbearia de blues, que visa promover a cultura do blues, ampliar a base de aficcionados e promover os novos artistas, e o resto da galera pegando pesado no planejamento, divulgação e investimento na casa.

um dos pontos que atraiu o ferrari foi o fato da casa ser gerida de forma mais transparente, evitando "tumés" com as bandas (fato infelizmente não raro em BH)

em BH, o blues está se unindo unicamente pq existe um inimigo comum de todos: a falta de espaço, de valorização e de respeito pelos músicos (não que aqui seja o velho oeste, existem casas muito boas, mas o treco não tá bonito)

outros fatores que contam muito: a empolgação contagiante da Cris e o fato de eu conhecer o ferrari e vice versa há mais de 15 anos, então um já sabe todas as chatices do outro (ok, eu admito que eu tenho MAIS chatices que ele...)

mas tá todo mundo disposto a correr atrás. o ferrari precisa promover o blues pq é o ganha pão dele. eu preciso promover o blues pq eu quero que meu projeto dê certo e já faço mirando no SBRAH 2010 (estarei em campinas no lançamento do cd do gaita-l numa mesa redonda sobre o assunto... afinal, 2 anos de planejamento não é muito tempo) e a Cris tem interesse profissional e acadêmico no projeto, que está relacionado ao curso dela.

como vcs podem ver, não estamos parados ;-)

segunda-feira, 3 de dezembro de 2007

Val Tomato em BH

Shello (Shellão) Silveira, grande guitarrista de blues daqui de BH traz à cidade o gaitista paulistano Val Tomato

Os músicos apresentam o 2º CD solo do gaitista intitulado LIVE, gravado ao vivo em São Paulo.

Os shows acontecem nos dias

14/12 no Café do Sol
Av. do Contorno 3.301
Santa Efigênia
Fone:3463-8989

15/12 na Utópica Marcenaria
Av. Raja Gabáglia,4700
Santa Lúcia
fone:3296-2868

15/12 às 14:00
Workshop na Pró Music
fone:3221-3400

Contatos: (11) 9663-2879 (Val Tomato)
E-mail: contato@valtomato.com.br
Home page: http://www.valtomato.com.br ou
shellaoshow@gmail.com (Shellão)

segunda-feira, 26 de novembro de 2007

Hering e seu blog

demorou, mas a hering abriu seu blog

eu acho um canal de comunicação extremamente interessante... se os comentários estiverem abertos! ;-)

a bends tem bons newsletters, mas eu acho que eles deveriam abrir um blog também

ok, eu admito. eu adoro blogs ;-)

ps. aposto que o bresslau tá estudando corporate blogging e viral marketing ;-)

Blues na rádio em BH



Olha prá vocês verem como são as coisas...

No orkut tem uma comunidade chamada "the blues", onde tinha uma thread falando sobre opções de blues em BH que sempre ficava no topo pq sempre tinha gente lá conversando. Um belo dia, esse pessoal descobriu a barbearia de blues e nunca mais as coisas foram as mesmas.

A Cris, uma das mais ativas, estudante de jornalismo jornalista formada pela UFMG, resolveu arregaçar as mangas e produzir seu próprio programa de rádio sobre blues na FM universitária da UFMG, com um "piloto" de quase 80 programas curtos, com 2 ou 3 músicas cada, e um trabalho de pesquisa sério sobre as várias vertentes e tendências históricas do blues. Estes programas vão ao ar a partir de segunda, dia 3 de Dezembro. O programa passa à noitona e repete de madrugada, pela 104,5 FM Universitária (ok, não pega na cidade toda, mas quase)

Aí, pessoas!

Segunda agora, 3/12, começa (finalmente) o programinha de blues que tou fazendo na Rádio UFMG Educativa (104,5 FM). Vai ter muito blues local, algumas raridades e outro tanto de clássicos. Sempre às 23h, uma pílula (maior que o normal), com cerca de 10 minutos, de curiosidades e músicas. Fiz o folder abaixo pra ajudar a divulgar, conto com vocês (até porque vai rolar muuuita gaita também, é claro).

Ah, e a 104,5 FM pega muito bem em algumas regiões da cidade e pessimamente em outras. Nesse último caso, rola de ouvir pelo site (www.ufmg.br/online/radio), ou esperar pra quando eu lançar em podcast.

Besos,
Cris


O que é o mais legal do programa: não é blues de quem não entende. A Cris é uma das poucas em BH com quem se consegue conversar sobre blues num nível de quem realmente gosta e curte. E ela é perfeccionista, cruza dados e descobre todas as idiossincrasias que povoam a web e os livros por causa das inúmeras lendas e inexatidões da história dos vários blueseiros, coisa rara de se ver por aí.

Outra coisa bacana é que a proposta dela é mais ou menos o seguinte: manda uma música "feijão com arroz" do blues (prá educar quem não conhece) e uma música "rara" ou "desconhecida" prá mostrar que ninguém está aqui prá perder tempo brincando. Quando fui ver, eu tinha mandado cerca de 50 mp3 dos blues mais diversos, passando por todos aqueles gaitistas que todo gaitista gostaria de ouvir até aquelas gravações que eu guardo no cofre, que nem o Chico Blues imagina que existem ;-) E eu sou apenas mais um da lista! Outros caras que sacam bem mais de blues que eu (são muitos, eu sei) também mandaram suas dicas prá Cris, de forma que muito provavelmente, a programação dela vai estar dentre as melhores programações de blues em rádio conhecidas ;-)

Cada um fez sua parte.

Por isso, meus amigos, não percam estes programas por nada deste mundo.

sexta-feira, 23 de novembro de 2007

Rodica

eu não me canso de elogiar a Rodica

o ferrari tá divulgando o site dela no myspace, com gravações que eu nunca tinha visto... e que podem ser baixadas...

a versão de sweet chariot, se não me engano, tem a voz do Sérgio Pererê, um duo que rendeu um show com muitos spirituals, coisa que infelizmente eu perdi no meio do ano...

bacana sim.

aí me perguntam cadê a gaita? bem, ela faz shows mais ou menos regulares com o Ferrari

é isso

v-amp

seguinte

v-amp é um emulador de amplificadores que tb tem alguns efeitos, cópia do pod da line 6, mas que é bom tb.

prá ligar ele no PC e baixar presets prá ele, como eu não achei nenhuma página que ensinasse isso de forma simples, vou fazer aqui e agora.

1. vc vai comprar um cabo MIDI-serial. na loja vai custar uns 80 reais (não achei em lojas, mas o preço era esse) mas vc vai comprar um feito manualmente no mercado livre por 25 pilas que funciona do mesmo jeito.

2. vc vai ligar no v-amp o in no in e o out no out, e na entrada serial atrás do seu PC

3. espera-se que seu PC tenha um driver pro MIDI, se vc consegue tocar MIDI no PC, provavelmente está habilitado

4. vc não vai colocar seu v-amp em modo edit nem nada. conecte tudo, ligue o v-amp e aperte "A" (midi)

5. vc vai baixar este software aqui do site da behringer

6. instale o benedito e ele vai tentar reconhecer o v-amp no MIDI assim que vc abrir o programa

pronto. o programa deixa vc mudar os parâmetros de cada preset na interface do computador (bem melhor que a do v-amp mesmo) e até mesmo carregar novos presets na memória do v-amp. Os presets feijão com arroz estão neste site aqui

e o básico de como tocar amplificado (com v-amp ou não)

e o material avançado

quarta-feira, 21 de novembro de 2007

terça-feira, 20 de novembro de 2007

Vídeos da convenção NHL 2007

Em outubro eu fui a Bristol para a convenção nacional de gaitas do Reino Unido, NHL.

Aqui um link para vários vídeos gravados durantes os concertos na noite de sábado:
http://br.youtube.com/results?search_query=H2007+bristol

E aqui um vídeo do amigo Donald Black, que desenvolveu a giata Highlander da Hohner comigo e quem eu fui visitar na Éscócia.

quinta-feira, 15 de novembro de 2007

vídeos perdidos de 16 de Maio 2003


osmar e leandro



osmar e pedro



osmar, pedro e zé



pedro


prata da casa... onde foda não tem cheiro ;-) (ou tem?)

achei esta foto


da esquerda prá direita: Kenji, Clara Machado, Diogo Farias, Osmar, Édson

de um email antigo de novembro de 2002

arqueologia

remexendo velhos textos, achei este texto meu e da lud, provavelmente feito pro zine 700km, na época em que fomos no primeiro bluesmobile para campinas (não lembro exatamente o ano, provavelmente 2000 ou 2001 ou algo assim)

foi quando a gente conheceu pela primeira vez, ao vivo e à cores, várias pessoas do gaita-l.

pelas contas, eu tinha 25 anos (14+11). Como eu tenho hoje 32, é de 7 anos atrás este texto.

Prezados leitores, acompanhei nos dias oito e nove desse mês uma caravana de gaitistas malucos por Blues. A primeira parada do nosso Bluesmobile, como a Van foi apelidada, foi o show Tributo à Gaita Blues, que aconteceu na madrugada de sexta para sábado na tradicionalíssima casa de espetáculos Delta Blues Bar, em Campinas/SP. Participaram do show os principais nomes da gaita no Brasil: Dr. Feelgood; Benevides; Vasco Faé; Robson Fernandes; Big Chico; Flávio Guimarães; Rodrigo Eberienos, Sérgio Duarte; Luis Fernando Lisboa e Márcio Maresia. Cada um deles homenageou um gaitista consagrado do Blues. Ao mesmo tempo, acontecia o Encontro Nacional do Gaita-List, uma lista de discussão que reúne mais de 250 aficcionados pelo instrumento, desde 99. O encontro foi um espetáculo à parte e se estendeu até sábado à noite quando a galera se reencontrou no Bar Oscar's, em Sampa.
A minha intenção, quando viajei com esse povo, era cobrir os dois eventos para o 700 km. Fiquei absolutamente maravilhada com a qualidade do som que eu ouvi e, também, com a qualidade das pessoas que encontrei nessa viagem. Mas o fato é que a emoção que senti não pode ser comparada a das outras pessoas que vivem e respiram Gaita e Blues 24 horas por dia. Por essa razão resolvi ceder meu espaço. O texto abaixo é do Leonardo Kenji Shikida, um cara que há 11 anos iniciou-se na gaita, descobriu o Blues e depois nunca mais parou. Também é responsabilidade dele a organização do primeiro CD da lista, que pode ser adquirido através do e-mail kenjishikida@brfree.com.br.
O único comentário que não posso deixar de fazer é que todos aqueles que estiveram por lá, ouviram aqueles músicos e dividiram aquela emoção, se tornaram, certamente, um pouco mais gaitistas. Acho que até mesmo eu. Para saber mais, entre no site www.geocities.com/gaita_l.
Com vocês, o Kenji:
Tudo começou 15 dias antes do show. Quando a galera ficou sabendo que ia ter um show com dez gaitistas da pesada tocando três músicas cada, de uma vez só. Ficou meio evidente que ia ter neguinho indo a pé prá assistir, daí a idéia do encontro no dia seguinte em SP.
Desde o CD do gaita-list, a turma de gaitistas foi se entrosando cada vez mais, enquanto eu reunia o pessoal daqui de BH. É o tal negócio: quando você gosta muito de uma coisa que pouca gente gosta, acaba procurando seus iguais e confabulando a revolução russa no
quintal...
A galera foi se organizando bonitinho e tal. Chega na véspera, o cara da Van fura com a gente. A coisa começa a ficar cara e a situação complicada. Na véspera da viagem nós demos um show no Reciclo, eu cheguei em casa e dormi às duas da matina e acordei seis da matina e começar a olhar preço de Van e tudo mais. Com muita sorte, encontrei um cara que fazia um "desconto de 10% na primeira viagem" e viabilizou o preço. Fui trabalhar na parte da manhã e marquei com o pessoal às 11h30min na minha casa. Atrasou uma porrada de coisa e só saimos da cidade por volta de 14 horas. Detalhe: o show estava marcado para começar em Campinas às 23.
Foram 7 horas de sonzeira, muito violão, muita gaita, tensão de chegar atrasado e não entrar, som na caixa o tempo todo. O motorista era muito gente boa e até gostou do som... Chegando perto de Campinas, um caminhão caído no meio da estrada... a gente ia morrer na praia....
Mas que nada, chegamos a tempo, às 21h30min. Comemos um pastel de vento e entramos por milagre no Delta Blues, que é um bar tradicional de blues que existe há 9 anos e por onde passaram todos os bluesmen brasileiros que se tem notícia. O lugar é apertado e ficou simplesmente intransitável, só que era a maior densidade de gaitista por metro quadrado do Brasil. Você andava dois metros e trombava no Sérgio Duarte, mais dois metros e trombava no Benevides. Mais dois metros e era o Flávio Guimarães... quando não encontrava com a galera da lista do RJ, SP e Santos...
O show mesmo foi até 4h. Infelizmente tínhamos hora prá chegar em SP, no albergue da Praça da Árvore. A dica do lugar foi da Clara Machado, uma espécie de "Nélson Motta" de São Paulo. Senão teríamos ficado até às 7 da manhã, quando se encerraram as JAMs.
O pessoal da lista, por incrível que pareça, não tinha um chato sequer. O show, que só tinha gaitista de primeira, teve dois momentos especiais prá mim que foram o Benevides, que vai ter que vir a BH de algum jeito dar um show com a banda dele de Curitiba, a Mister jack. Rápido... o homem é MUITO rápido na gaita. E o Rodrigo Eberienos, que pegou carona com a gente no Bluesmobile várias vezes e se especializou em tirar Mark Ford, o cara que toca o meu blues favorito (vide http://www.brfree.com.br/~shikida/blues.htm). Antes do show, cheguei a perguntar se ele tocaria igual ao CD "Here we go." Tive como resposta: "Olha, eu consigo tocar igual, mas aqui eu vou fazer o meu solo". Não pude ver, só pude ouvir, de tão empapuçado que o lugar tava mas eu juro que não era só o cara, era a banda de apoio também. Eles ensaiaram CADA nota, e o Eberienos tocou com perfeição de timbre... até o solo, quando ele fez, foi o dele mesmo. Só isso já valeu a viagem inteira. Quem viu disse que o vocalista chorou no fim da música. Pode até ser álcool, mas a galera chorou por dentro nessa música com certeza.
Aí deu a hora de ir embora e foi todo mundo pro albergue, que é o oposto do que eu sempre achei que fosse um albergue. O lugar era organizado, limpo, simpático, civilizado, confortável e, pasmem, barato! No mesmo albergue, o motorista da Van começou a ganhar umas aulas de gaita gratuitas com a galera.
De lá, fomos para o encontro da lista. O dia anterior foi só para ouvir, aquele era o dia de tocar. Conheci pessoalmente gente da qual eu já era muito amigo. Até um cara que foi o primeiro cara que eu vi ter uma página de banda de blues nacional na web com quem sempre tive o maior respeito e amizade. E foi aquela JAM gigante, a galera se divertindo e cada hora era um no palco... cara, que noite...
Depois o Eberienos deu uma demonstração de virtuose na mesa do buteco que deixou muita gente com vontade de jogar a gaita fora... O cara emendou uma sequência de forrós na gaita de blues que só vendo para acreditar.
Fechamos o Encontro em uma pizzaria e voltamos, todo mundo morto de cansaço e de alma lavada... A fita de vídeo já foi editada em SP e deve estar sendo vendida por estes dias. O pessoal de SP e do RJ ficou sabendo que existe um bando de loucos em BH e um dos gaitstas do show, um dos mais criativos na minha opinião, o Dr. FeelGood, pode vir a BH em agosto/setembro para um showzinho. Ele já chamou a galera para aparecer e dar uma canja com ele. Dane-se se a gente tocar mal, passamos vergonha mas tocamos com o cara a todo custo!
Foi uma viagem muito boa. Foi um pessoal muito bom no Bluesmobile. Foi um pessoal muito bom de SP, RJ e Campinas. Vi um monte de gaitistas pessoalmente e meu saquinho de gaita quase não tem mais lugar para autógrafo. Ouvi coisas inacreditáveis na gaita. Conheci um dos bares mais tradicionais de blues do país. Toquei Summertime, e Na baixa do sapateiro.
Eu não adorei a viagem, eu amei a viagem e assim que puder, faço tudo de novo. E se rolar de organizar o próximo aqui em BH, a gente faz uma quebradeira aqui. Tem fotos e tem a fita de vídeo a caminho. E eu vou gostar mais ainda da minha música favorita. Eu não mereço? Ah! Eu mereço sim!!!Yeah!!! Como diria o John Lee Hooker, I'll never get out of this blues alive!!! E não vou mesmo!!

(Lud e Kenji, de Belo Horizonte)

quarta-feira, 14 de novembro de 2007

Bluesmenau - dois feras da cromática



José Staneck




Ronald Silva


thanks Clara!

Blues e honestidade



mandaram esse vídeo prá mim, como vídeo-resposta ao vídeo que eu coloquei no youtube do Ben Andrews tocando no Madam's Organ de washington (essa casa é duca!)

é o Ben Andrews and the Blue Riders, gravação de 96. Blues legítimo, com um bom e honesto solo de gaita.

ele ilustra a minha teoria de que o instrumento mais importante do blues sempre foi e sempre será A VOZ (fico feliz de ter podido dizer isso na TV uns anos atrás...). Nem gaita nem guitarra. É a VOZ.

e é o mais difícil de encontrar, de boa qualidade aqui no blues nacional. Temos instrumentistas que acabam indo pra virtuose enquanto a simplicidade do blues vai ficando cada vez mais distante. O cantor blueseiro canta quase com vergonha, quase que arrependido. Canta para dentro. Aqui, os cantores berram. O blues não é prepotente. É humilde. Não esqueça sua alma em casa quando for cantar blues.

Verdade seja dita, o Bruno do Nasty é um puta dum cantor de blues. Dos melhores ;-) E a semelhança entre os estilos do Bruno e do Ben é notável.



acima, Nasty Blues, com Bruno Avanzato no vocal.

Anotações sobre Stevie Wonder por Richard Hunter

Richard Hunter sempre nos presenteia com suas observações didáticas e bem embasadas no harp-l. Desta vez, achei tão interessante que resolvi postar aqui no blog.

De vez em quando, alguém tem paciência para postar algo deste nível no gaita-l também, mas posts como estes me fazem pensar o quão importante é a presença de determinadas pessoas com conhecimento na lista, e a diferença que elas fazem quando resolvem compartilhar suas opiniões com nós, meros mortais.

Em tempos de gaita-l agitado pela passagem polêmica e meteórica da Melissa, eu me pergunto se a melhor forma de subir o nível da lista não é justamente pela outra ponta, dos caras que sabem postarem o que sabem, sem medo de parecerem pedantes.

Muita gente reclama do baixo nível da lista, dos assuntos banais e das pessoas perguntando coisas básicas. Bem, então puxe assunto de níveis mais altos. Como diz o ditado zen, o mestre zen é como um sino. Bata suavemente, e ele lhe dará uma nota suave. Bata com toda a força e ele dará um sonoro estrondo ;-)

Mark Panfil wrote:
-Everyone recognizes his playing and I think I attribute that to the keys he plays
-in most of the time. You see, most chromatic players use the slide to add sharps
-and flats. They embellish starting with the slide relaxed. Stevie Wonder plays many
-songs with the slide pushed in as "home" and he releases it to embellish
-the notes. that makes his "sound" quite different from the crowd.

Stevie has recorded memorable solos in D (Fingertips), E (Isn't she Lovely), F (Creepin'), G (Please Don't Go), F# (For Once In My Life), C (Got to Spend A Little More Time with You, from James Taylor's "Hourglass" CD, incidentally a wonderful recording from start to finish), and even Eb using an Ab diatonic harp (Boogie On Reggae Woman). On the list above, only the key of F# is played on the chromatic mostly with the slide in. This is by no means a complete list, and even this short list shows that Wonder is instantly recognizable in any key, even on the diatonic harp, which has no slide at all. So I think we can safely say that it's not the keys he plays in that make him distinctive.

It's true that Stevie uses the slide in a distinctive way, but that's not about the key he's playing in. It's also true that many harmonica players have imitated Stevie's slide work, which is pretty easy to imitate, without being able to sound like Stevie for more than a few bars (which is enough for most studio work, of course, but not enough to fool an audience for long). And like I said above, the slide thing doesn't explain why Boogie On is so distinctively Stevie.

There are a few things that make Stevie so unique:
1) His harmonic sense. Stevie always seems to choose notes that bring out the highlights in the chord changes he plays over. His harmonic sense comes through even more strongly on his compositions, where the chord changes tell amazing stories.
2) His tone. Like Toots Thielemans, Stevie has a very personal tone (though nothing like Toots's, of course). A personal sound is something that great players achieve, regardless of their instrument. Eric Clapton has a personal sound; Lester Young had one; Stevie's got his. Asking "How does a player get that personal sound?" is like asking how the player got to be the person he or she is. In other words, it's easier to appreciate it than to explain it.
3) His attack and release. Stevie tends to play his notes marcato, meaning slightly separated, and he often ends his notes with a trailing vibrato that's very emotional.
4) The way he constructs a solo. Stevie goes for a big finish on his solos. "For Once In My Life" is an obvious example--it ends on a screaming A# at the top end of the harp, after a series of phrases that go higher and higher.

I could go on, but those are some of the highlights.

Summary: Stevie is so distinctive because he has a unique, remarkable musical conception. His harp playing is one of the things that he uses to express that conception, along with his singing, his compositions, and his orchestrations in general. Let's not forget that in the 1970s and 1980s Stevie also practically defined the sound of synthesizers in pop music. In those decades, there was hardly a musician in the world that wasn't listening closely to Stevie Wonder. I still laugh when I think about Paul Simon accepting the Grammy for "There Goes Rhymin' Simon"; his first words to the audience were "I'd like to thank Stevie Wonder for not making a record this year."

Thanks and regards, Richard Hunter
hunterharp.com

segunda-feira, 12 de novembro de 2007

deja blue 4a no pau e pedra

deja blue no pau e pedra, 21h

R$ 7, mas cai para R$ 2 para quem estiver duro :-) [é só me procurar lá]

no repertório, clássicos do rock-blues. Vaughan, Clapton, Elmore James, Robert Johnson, Hendrix, etc.

palco aberto para canjas, como sempre ;-)

Avenida Getúlio Vargas, 489
Funcionários
(31) 3284-2397

é nóis

sexta-feira, 9 de novembro de 2007

Neste sábado, antes da barbearia

o sábado está virando uma festa ;-)

o Lucas Fainblat (aquele moleque que canta uma barbaridade) me avisou do seguinte show

Av. Brasil, em frente à loja maçônica. Chama BANCA TOTARO.
Vou tocar lá: eu, frodo e uma banda mto boa.
Estaremos no palco às 16h EM PONTO!(pode acreditar, em ponto mesmo!)
Abração!


divulgando aqui, não só pq é boa música, mas pq o Frodo é gaitista e tá tocando bem legal, vale conferir e prestigiar.

lembrando que a agenda de shows de blues em BH, quem tem feito o melhor é sempre a Cris na comunidade Blues-BH do Orkut

quebrando o galho dos não orkutianos, publico aqui em caráter excepcional o que rola neste fim-de-semana em BH

Neste fim de semana
Quatro opções jóias de showzim:::::

Sexta-feira, 9:

* Hot Spot e Leandro Ferrari no Vinnil Cultura Bar, às 23h
* 10 anos de Legado Blues na Utópica Marcenaria, à 0h

Sábado, 10:

* Tributo à guitarra, do Affonsinho, no Capim Limão, às 21h30
* Bendito Blues, do Samir Chammas, no Café Alexandrina, às 22h


prá barbearia, as regras são:

não choveu: Solar de 5 às 7 e Canoas depois
choveu: Canoas de 5 em diante


o endereço dos dois vc encontra no www.barbearia.org

quarta-feira, 7 de novembro de 2007

Golden Melody e os overbends

A Golden Melody tem fama de ser "a" gaita para overbends, como o Ruan apontou no seu blog. Aqui vai uma tentativa de explicação do porquê.

A Hohner não faz nenhuma gaita especificamente para overbends, então por isso que a GM também não é anunciada como específica para essa técnica. Imagine que, se a Hohner disser que uma gaita é boa para overbends, qdo gaitistas com pouco treino não conseguirem alcançar a técnica, culparão a Hohner.

Mas a GM ganhou a fama de ser boa para overbends por alguns motivos:

  1. É da série Classic ou Hand Made da Hohner, como a Marine Band. Essas são as melhores gaitas Hohner para overbends, provalvemente por causa dos tamanhos e perfis das palhetas.
  2. Não tem bocal, as chapas de vozes estão o mais próximo da boca o possível. O Howard acredita que isso é importante. Tanto que, quando a Hering lançou a linha custom, eu achei estranho que eles tenham escolhido um modelo com bocal.
  3. As placas de cobertura são planas e relativamente baixas. O pessoal da Seydel acredita que isso seja benéfico para overbends.
  4. A afinação temperada agrada mais a quem quer tocar jazz e linhas melódicas. Como, geralmente, gaitistas que usam overbends consistentemente gostam de tocar nesse estilo, preferem a GM em relação a outros modelos da Hohner, que apresentam uma afinação entre a justa e a temperada.
  5. Gaitas Hohner foram e talvez ainda sejam as melhores gaitas para serem ajustadas para overbends.
  6. Howard Levy usou essas gaitas exclusivamente por muito tempo. Claro que elas eram ajustadas pelo Filisko, mas eram GM e sempre que alguém perguntava, ele indicava esse modelo. Eu acho que esse fato é o mais importante para ter estabelecido a Golden Melody como gaita para overbend.

Bendito Blues sábado

Bendito Blues

Samir Chammas, Eduardo Matos e Marcelo Marreco
Sábado, dia 10 de novembro às 22 horas
Café Alexandrina, Rua Pernambuco 797, Savassi
no quarteirão do Villa Árabe
R$ 8,00


coisa de primeira. não percam!

terça-feira, 6 de novembro de 2007

Orquestra Paulista de Gaitas

Pessoal,

criei uma página no MySpace e um site de fotos para meu grupo de gaitas. É tudo novo.... dá uma olhada e me falem o que acharam pra eu ir melhorando.

Lá tem também um link para o album do grupo e um blog para postar notícias. A noticia quente é que ganhamos um festival em blumenau neste fim de semana, na categoria grupos e pegamos segundo lugar no geral - foi show de bola.

http://www.myspace.com/opgaita

Bom, entrem lá e comentem. Abraço!!!!

Fernando.

segunda-feira, 5 de novembro de 2007

prorrogação

Olá,

Prorrogamos o prazo para a entrega dos videos (links), musicas e votos para homenageado para o dia 15 de Novembro. Estamos com poucas contribuições de videos, é fácil, basta enviar o link do youtube. A pedido das camisetas vai até 15 de novembro também.

Todas informações no blogue:
http://cd-gaita-l2007.blogspot.com/

Abraços,

Xavier

terça-feira, 30 de outubro de 2007

Gaita baixo em música country

Não acho que seja uma raridade, mas me chamou a atenção e é um bom jeito de dar um exemplo do uso da gaita baixo em um contexto diferente dos trios ou orquestras de harmônicas.

http://www.pandora.com/music/song/waylon+jennings+willie+nelson/nowhere+road

Essa é a música Nowhere road tocada por Waylon Jennings com Willie Nelson. Como era de se esperar, quando o Willie toca com gaita, o gaitista provavelmente é Mickey Raphael. E não deu outra:

http://wc02.allmusic.com/cg/amg.dll?p=amg&sql=10:azfoxqrhldke~T2

O membro #4625 do SPAH

Sou eu :-)

chegou minha carteirinha e 3 edições do "Harmonica Happenings", a publicação trimestral deles.

devo dizer que eu realmente sentia falta de ler sobre gaita em papel. a revista é interessante, tem bons artigos e um visual... hummm... um pouco antigo eu diria. Vamos chamar de "tradicional-saudosista" ;-)

vale a pena prá quem gosta de gaita em geral. (talvez não valha tanto para os blueseiros, a revista foca mais em cromática)

é isso

SBRAH 2010, aí vamos nós

domingo, 28 de outubro de 2007

última chamada pro cd do gaita-l 2007

gente

dia 31 é o prazo limite prá quem quiser mandar sua música pro cd do gaita-list deste ano. quarta-feira agora.

eu sei que muita gente gostaria de produzir uma faixa bonitona, com todos os recursos possíveis, mas a verdade que existe é a seguinte: a força do cd vem puramente da boa vontade das pessoas.

o que faz o cd do gaita-l ser único e interessante é justamente o fato dele não precisar ter uma grande produção. o espírito das músicas é simplesmente participar e mandar aquela música que você pode gravar no computador da sua casa, muitas vezes, gaita limpa, ou um arranjo simples como gaita, voz e violão.

o cd não é concurso de quem toca melhor.

o cd é concurso de quantos gaitistas no Brasil acreditam que haja uma comunidade tão grande de gaitistas no brasil, livres de preconceitos e amantes da música e do instrumento

por isso, meus amigos, não deixem para o dia 31. peguem suas gaitas, chamem seus amigos violeiros, toquem no microfone do computador e mandem do jeito que está. Não se preocupem em mascarar os erros nos pró-tools da vida. O que vale no cd do gaita-list nunca foi parecer um grande gaitista, mas mandar uma música honesta e sincera, do que vcs gostam, e porque esse sentimento sai pela gaita.

lembrem-se. os ídolos que muita gente idolatra hoje, quando gravaram, mal tinham recursos tecnológicos, e nem por isso suas músicas perderam força ou envelheceram. Pq muito mais que a qualidade de gravação, pro cd do gaita-list, vale mais o espírito da coisa.

é um cd da lista para a lista. seu ouvinte é gaitista. não tenha medo e participe do movimento com o que vc tem hoje, agora. Vai tomar 5 minutos do seu tempo, e vai te fazer orgulhar pelo resto da vida ;-)

como, onde, quando? http://cd-gaita-l2007.blogspot.com/

grande abraço, deixem de frescura e mandem logo suas músicas.

cd do gaita-l 2007 + camisas e etc

Ainda temos poucas músicas, votos ao homenageneado e pouquissimos videos... o prazo está acabando! Instruções para o envio de musicas videos e voto, abaixo...

-------------------------------------
Quem quiser comprar camiseta já, o prazo também é 31 de outubro:

Já estão a venda as camisetas do CD Gaita-L 2007. A arte foi feita pelo cartunista Bira Dantas que é gaitista e integrante da lista. Para conhecer a arte visite o blogue do CD Gaita-L 2007.

Estão disponíveis camisetas pretas e brancas nos tamanhos GG, G, M, P e baby looks P, M e G. O valor é de R$15,00 mais despesas de postagem. Os interessados deverão entrar em contato com Adaury através do e-mail: adauryamaral@uol.com.br até o dia 31 de outubro.


Informação dada pelo Fernando Xavier

quinta-feira, 25 de outubro de 2007

gaita made in Africa



saiba mais sobre este rapper nigeriano que por acaso é gaitista...



numa versão mais black eyed peas


E das terras africanas, tem também Ismael Lo, na trilha "tudo sobre a minha mãe" do Almodóvar



thanks Harp-L

quarta-feira, 24 de outubro de 2007

+ Iron Lung



porque eu sei que vcs gostam ;-)

já se falou muito de Iron Lung neste blog. Use a caixinha de busca no topo da página para achar os outros artigos....

terça-feira, 23 de outubro de 2007

Bluegrass harp

Brokenjoe, excelente trio de Bluegrass com gaita.

http://www.youtube.com/user/Magublican

http://www.brokenjoe.com/

Vitor Lopes Globetrotter

O Vitor parece que achou uma fórmula boa para tocar na Europa, o que me deixa contente.
Pena que, até hoje, não foi possível ver nenhum show dele por aqui, uma vez que ele toca muito na França, longe de onde eu estive baseado até agora.
From: Vitor Lopes <>
Date: Oct 23, 2007 2:55 PM
Subject: De volta!!!

Olá amigos e amigas,

já estou de volta de mais uma turnê com Um Trio ViraLata. Estivemos em Granada, Rennes e Limoges, tocamos muito, conhecemos gente nova e revemos velhos amigos...ano que vem tem mais!!!
Em breve estaremos com novas fotos no Myspace e um link com o áudio do concerto que fizemos em Limoges, no Festival Les Harmonicales, totalmente voltado para o meu querido instrumento.

Um abraço,

Vitor Lopes.

+1 blog na área

lentamente, a gaita vai formando sua blogosfera

http://escalaharmonica.blogspot.com/

domingo, 21 de outubro de 2007

gaitas bends, de perto

o Sérgio, do gaita-blog, mais uma vez com um ótimo post, desta vez sobre as famigeradas gaitas bends e algumas soluções inteligentes.

Novidades da Seydel

A Seydel anunciou que lançará algumas novidades na próxima convenção nacional da Associação Britânica de Harmônicas, a National Harmonica League, em Bristol, fim-de-semana que vem.

Uma das novidades será um modelo exclusivo comemorativo. A Seydel comemora essa ano 160 anos. Será uma gaita de preço alto, baseada na 1847, logicamente.

Outro lançamento será uma gaita chamada "Big Six", que tem 6 orifícios, vem embalada em uma lata e tem um cordão para ser pendurada ao redor do pescoço. Parece que foi pensada para crianças, veremos.

Aliás, quem quiser aparecer na convenção está convidado para o meu workshop de manutenção no sábado.

Abraços,
Bresslau

quinta-feira, 18 de outubro de 2007

harp-l

tem uma coisinha no harp-l que sempre me incomodou

é quando nego responde uma mensagem e tipo renomeia "brevemente" o subject

faz uma confusão dos diabos e geralmente não acrescenta nada

se fosse uma coisa do tipo "Re: xxxxxx Was yyyyyy" vá lá, mudou de assunto

mas tem nego que renomeia tipo de "seydel harps" prá "about seydel harps" (exemplo hipotético)

pronto, falei. ;-)

segunda-feira, 15 de outubro de 2007

por apenas US$ 35 anuais

você pode fazer parte do SPAH

como o dólar tá baixo, agora eu tb sou membro do SPAH :-) êeeeeeeeeeeee

saiba mais sobre o SPAH e as vantagens de ser um membro desta sociedade

sábado, 13 de outubro de 2007

Beta Harps

O Ben Bouman, consultor da Seydel e gaitista da banda holandesa Marble Tones, figura sempre presente na cena gaitística alemã, está lançando o seu serviço de gaitas customizadas.
Ele decidiu usar como base as gaitas 1847 da Seydel, com palhetas de aço inox.
O Ben tem bastante experiência em customização já, basta perguntar ao Eisinger o que ele acha da Golden Melody em C que o Ben deu uma tarimbada durante o World Harmonica Festival 2005.
Eu cheguei a tocar uma das pré-Beta-Harps em maio desse ano e realmente pude sentir a diferença de performance em comparação com uma 1847 saída da caixa.
Visitem o site novo do Ben para ver detalhes.
Bem, é isso aí, preciso arrumar um limão para o almoço.

sexta-feira, 12 de outubro de 2007

cd novo do flávio guimarães na área

via Roberto Maciel

(...)Pois bem: ele está lançado CD novo mês que vem. Chama-se “Flávio Guimarães Vivo”. É uma homenagem ao norte-americano Charles Musselwhite, outro monstro da gaita, e, não bastando isso, traz participações de gente especialíssima, como o próprio Musselwhite e Peter Madcat Ruth. Sabendo disso, pedi ao Flávio informações sobre o disco. Ele me mandou o texto do encarte, julgando que não há muito mais o que falar do que as impressões que escreveu. Concordo. Blues, afinal, é um gênero sem arrodeios e repleto de objetividade. (...)


coisa boa chegando!

quinta-feira, 11 de outubro de 2007

o gaitista mais pirado de todos


eu achava que era o madcat, mas obviamente eu estava errado

olha as fotos desse cara

tem o cara de conan, robin wood, guerrilheiro, espadachim, bárbaro, vampiro, pirata, entre outras coisas se é que é possível

http://haveharpwilltravel.com/pictures.html

"(...)My name is Jonah, and I am somewhat of a virtuoso on the harmonica, or Blues-Harp, if you will(...)"

verdade seja dita, o cara se diverte :-)

e toca também... :-)

Thanks Sieg, por desenterrar essa pérola...

segunda-feira, 8 de outubro de 2007

Documentario sobre Hugo Diaz

Hugo Diaz eh talvez o interprete de Tango na gaita mais importante da atualidade. Um documentario sobre o seu trabalho foi feito e estrearah em breve em Buenos Aires. Resta saber como serah possivel ver o filme fora da Argentina.



HUGO DIAZ,
se estrena documental del genial armonicista argentino.

1º de noviembre de 2007 Ciudad de Buenos Aires (salas Gaumont y otras de Abasto y Recoleta, hay que estar atentos)
La película se llama
A los cuatro vientos
Dirección: Alejandro Larrán
Guión: Luis Cruz y Alejandro Larrán

Participan como intérpretes y entrevistados los siguientes músicos:
Domingo Cura, percusionista, amigo, compañero y cuñado de Hugo
Mavi Díaz, musica, cantante, e hija de Hugo
Luis Saltos, armonicista (muy bueno) que fuera amigo de Hugo
Norberto Pereyra, guitarrista que toco con Hugo
Franco Luciani, premiado armonicista argentino (y un gran tipo, ademas)
Milton Blanco, armonicista y docente
Adrián Jiménez, gran armonicista de blues

http://www.cinenacional.com/peliculas/index.php?pelicula=4789

sexta-feira, 5 de outubro de 2007

deja blue again

Show da banda Deja Blue no Pau e Pedra
Getúlio Vargas, 489 Funcionários
Telefone: (31) 3284-2397),
R$ 7,
véspera de feriado

Dia 11/10

Kenji na gaita, fazendo o que pode ;-)

Gaitas Bends finalmente à venda

Aqui

Diatônica Anima = 49,00
Diatônica Adagio = 69,00
Diatônica Juke = 86,00 (recomendo!)
Cromática Alegro = 229,00
Cromática Tonica = 266,00

segunda-feira, 1 de outubro de 2007

e cadê a hering na expomusic?

o blog do sérgio levantou a bandeira

(...)Os shows da programação do estande da Hering foram cancelados, não houve explicações nem aviso prévio do cancelamento. Sentimos muito pela notícia e por não termos avisado anteriormente.(...)


e aí? palpites sobre o motivo?

+ Toots no Brasil 2

fonte: estadão

Toots leva a vida na gaita

Grande admirador da música brasileira, o gaitista belga volta ao País 15 anos depois da sua última visita, toca no Cultura Artística com Oscar Castro- Neves e diz ao ''''Estado'''' que rejuvenesce tocando com garotos

Jotabê Medeiros

Há três dias, ele tinha tocado com a pianista brasileira Eliane Elias em Bruxelas. No ano passado, no Carnegie Hall de Nova York, seus acompanhantes eram Ivan Lins, Oscar Castro-Neves e Eliane Elias (além de Herbie Hancock e Joe Lovano). Desde os anos 1960, quando ficou amigo de Elis Regina, o gaitista belga Jens ''''Toots'''' Thielemans nunca ficou muito tempo afastado da música brasileira, mas se ressente das visitas ao País, que eram freqüentes até os anos 1990.

''''Faz uns 20 anos que não vou ao Brasil, acho que a última vez foi no Rio de Janeiro. Farei três shows aí e depois vou ao San Francisco Jazz Festival'''', disse o veterano músico, em entrevista ao Estado por telefone desde Bruxelas, Bélgica, na semana passada. Uma lenda do seu instrumento, autor de um clássico do gênero, Bluesette, Toots Thielemans tocou e gravou com os maiores: Charlie Parker, Oscar Peterson, Bill Evans, Quincy Jones, Jaco Pastorius, George Shearing, Benny Goodman, Ella Fitzgerald. E também Chico Buarque, Caetano Veloso, Gilberto Gil, Elis Regina.

Mas não são 20 anos longe do Brasil, Toots, são 15 anos: a última vez foi em 1992, no extinto Free Jazz Festival. Mas agora o jejum acaba: hoje e amanhã, aquele que é considerado o papa do seu instrumento, a gaita, toca no Teatro Cultura Artística, em São Paulo, acompanhado de um quarteto - o baterista Bruno Castelucci, o pianista Karel Boehlee e o baixista Bart de Nolf -, e mais o brasileiro Oscar Castro-Neves, convidado especial.

''''Eu sou um músico de jazz. A base do que eu toco é o bebop. No fundo, é também o que me aproxima da bossa nova, por exemplo. Não é sempre que toco com os brasileiros, mas amo a música brasileira tanto quanto o jazz'''', diz ele, cujo último trabalho foi lançado no ano passado, o álbum One More for the Road. Nesse disco, o jazz é a tônica, e os parceiros são quase todos recém-chegados ao métier: os cantores Madeleine Peyroux, Jamie Cullum e Roberta Gambarini, por exemplo, participam.

''''Amo tocar com os jovens, porque é com eles que eu rejuvenesço musicalmente'''', diz o gaitista. Foi assim, com esse espírito, ele lembra, que se entregou de corpo e alma a uma jovem cantora brasileira, Elis Regina, nos anos 1960. Em 1969, gravaram juntos Aquarela do Brasil. ''''Elis me ensinou as únicas palavras em português que nunca esqueci: obrigado, tudo bem?, bom-dia e bicha. Ela me chamava de bicha'''', ele diz, às gargalhadas. Será que ela não dizia ''''bicho'''', como era hábito na época? Bom, Toots não sabe dizer.

Nos anos 1990, Thielemans gravou dois discos fantásticos, os álbuns Brasil Project, que juntaram Gil, Caetano, Chico Buarque, João Bosco, Djavan, Ivan Lins, entre outros. Ele se emociona até ao lembrar de algumas das canções que gravou. ''''Chico Buarque cantando o futebol, que maravilha!'''', afirma.

''''Eu gostaria de gravar sempre discos como o Brasil Project, mas não sei mais se é possível, não no mesmo nível daqueles discos. Precisaria ensaiar, precisaria reunir os músicos certos, todos têm agendas. Tenho 85 anos agora, não tenho mais saúde, estou velho'''', ele diz.

Para Thielemans, um dos músicos com os quais estabeleceu uma relação de influência mútua, no Brasil, foi o também gaitista brasileiro Mauricio Einhorn, hoje com 72 anos. ''''É um bom camarada'''', disse, em bom português. Mauricio, nascido Moisés Davi Einhorn, uma vez presenteou o general João Baptista Figueiredo, então presidente militar, com uma gaita que Thielemans tinha lhe dado de presente. Figueiredo era gaitista diletante.

Uma das facetas do trabalho de Toots foi em trilhas para cinema. ''''Fiz música para Midnight Cowboy (Perdidos na Noite, de 1969) e Bagdah Café (1987)'''', ele lembra. ''''Mas nunca mais fiz nada para o cinema, não tive tempo nem boas propostas.''''

Toots Thielemans aprendeu a tocar a gaita em sua cidade natal, Bruxelas, aos 17 anos. Após a ocupação alemã, a família Thielemans refugiou-se na França. Em 1941, ao voltar a Bruxelas, Toots ouviu o violonista cigano Django Reinhardt, e decidiu aprender a tocar aquele instrumento, que também domina muito bem. Em 1947, foi aos Estados Unidos pela primeira vez e, em 1949, conheceu o bandleader Benny Goodman.

No ano seguinte, emigraria para os Estados Unidos. De 1952 a 1959, acompanhou o quinteto do pianista George Shearing. Nos anos 1960, tornou-se colaborador de Quincy Jones, com quem gravou as trilhas sonoras para cinema. ''''Um grande amigo, Quincy, que divide comigo a paixão pela música de Ivan Lins. Eu o destaco pela pesquisa melódica e harmônica. Adoro sua música Começar de Novo'''', diz Toots.

Animado com a volta ao Brasil, Toots manda um recado simples antes de se despedir. ''''Diga que eu desejo um bom dia a todos os meus amigos brasileiros.'''' Que não são poucos.

Pimentinhas:
Com Elis Regina, Toots manteve grande amizade e gravou Aquarela do Brasil, em 1969. ''''Ela me ensinou palavras em português: obrigado, tudo bem e bicha'''', diverte-se.

Coração violeiro :
Depois de assistir a um show de Django Reinhardt em Bruxelas, Toots decidiu que também tocaria violão. Tornou-se respeitado também nesse instrumento, que domina

Com uma pequena ajuda de alguns amigos:
No Free Jazz de 1992, Toots esteve acompanhado de Gilberto Gil, Chico Buarque, Edu Lobo e a constelação da MPB com a qual se acostumou a tocar e gravar

Camarada :
Com Oscar Castro-Neves, em 1992, também em visita ao Brasil; parceria fértil aqui e no exterior se repete na semana


Serviço
Toots Thielemans Quartet. Teatro Cultura Artística (1.156 lug.). Rua Nestor Pestana, 196, telefone 3256-0223. Hoje e amanhã, 21 h. R$ 30 a R$ 90

sexta-feira, 28 de setembro de 2007

deu na folha hoje

Aos 85, jazzista Toots Thielemans retorna ao Brasil
Publicidade

CARLOS CALADO
do Guia da Folha

Raros músicos estrangeiros revelam tanta intimidade com a música brasileira como Toots Thielemans. Quinze anos atrás, esse jazzista belga, reconhecido como o maior gaitista do gênero, gravou uma seleção de pérolas da MPB ao lado de um mega-elenco que incluiu Chico Buarque, Caetano Veloso, Edu Lobo e Milton Nascimento, entre outros. E depois dividiu shows com quase todos eles.

Desta vez, nos concertos que fará no Cultura Artística, dias 1º e 2, Thielemans terá a seu lado apenas um brasileiro: o violonista carioca Oscar Castro-Neves, que vive nos EUA há 40 anos. Mas isso não significa que sua paixão pela música brasileira tenha arrefecido.

"O que mais me atrai nela é a combinação especial entre a melodia e o ritmo", derrete-se o gaitista de 85 anos. Ele promete tocar alguns clássicos brasileiros, como "Samba de Uma Nota Só" (Tom Jobim e Newton Mendonça) e "Começar de Novo" (Ivan Lins), mas também reserva parte do show para standards jazzísticos. Sem esquecer a saborosa valsa-jazz "Bluesette", seu maior sucesso.

Teatro Cultura Artística - sala Ester Mesquita (r. Nestor Pestana, 196, Consolação, região central, tel. 3256-0223). 1.156 lugares. 21h. Ingr.: R$ 30 a R$ 90 (p/ estudantes e maiores de 60 anos: R$ 15 a R$ 45). Ingr. p/ tel. 3258-3344.

quinta-feira, 27 de setembro de 2007

Um pouco de besteira de vez em quando faz bem



E ajuda a quebrar o gelo durante a primeira semana do MBA. A música é composição minha. Filha única, por enquanto.

Engels na América do Norte

do Gaita-l

Oi! Amigos gaitistas e simpatizantes.

Estou pela terceira vez fazendo shows no Canada e Eua divulgando o meu mais novo cd `FACES OF THE HARP`. Em julho deste ano me apresentei no Beaches Jazz Festival a convite dos musicos do Canada Trust, e estou fazendo shows nas casas noturnas de Blues/Rock de Toronto atualmente.(Veja agenda)

Em Dezembro irei para os EUA . Em breve estarei montando um blog com fotos dos shows e das viagens, mas ja tenho algumas fotos no meu segundo perfil do Orkut http://www.orkut.com/Album.aspx?uid=3773186385497169662, caso alguem que queira saber alguma informacao sobre gaita aqui no Canada pode entrar em contato.

Disponibilizei um parte dos solos de algumas musicas que ainda nao estavam no meu site, como os solos das musicas Grey city Stom e Jogo da vida . Visitem www.engelsespiritos.com.br

Muito obrigado por este espaco para divulgar

Um forte abraco para todos

Engels

Obs: Estou escrevendo sem acentuacao por causa do sistema para lingua inglesa


Bacana. Boa sorte pro Engels. O Engels apareceu no segundo cd do gaita-l, se não me engano, e suas músicas tiveram uma repercussão muito boa na Europa, naquela época. Ao contrário da grande maioria blueseira, o Engels tem um som mais roqueiro e mais jazzístico, com muitas influências de fusion. É um gaitista rápido e pirotécnico no bom sentido. Não sei se é endorser de alguma fábrica...

terça-feira, 25 de setembro de 2007

quer gastar pouco dinheiro prá treinar os (bend)itos bends?

hoje eu inaugurei meu afinador eletrônico que eu comprei por uma fortuna (uns 40 reais) na web

vale cada centavo. eu tinha comprado prá afinar gaita, mas hoje resolvi testar pro estudo de bends. Isso pq a mesa onde ficava meu teclado (um trambolho que eu comprei num topa tudo uns anos atrás) foi doada e até que eu coloque o teclado num outro lugar, iria me dar muito trabalho... aí resolvi testar o afinador.

muito bacana e funciona muito bem. toco sentado e o afinador em cima da mesa detecta até bem as notas que eu estou dando (uso como referência as notas naturais da diatônica) e finalmente posso entender o que meu ouvido destreinado não entende quando o Pedro (estou pegando aulas com o Pedro tem um tempo já...) me diz que eu estou "semitonando" os bends (que é basicamente "quase chegar lá")

agora sim eu estou "chegando" lá

e aí é uma bola de neve. você aprende na marra pq o sopro precisa ser um bafo prá chegar corretamente nos bends. O sopro forte e rápido simplesmente não permite que o bend saia "vibrando" (a gaita treme levemente na mão) e finalmente você tem referência prá estudar.

com uma tabelinha com o display das notas e um afinador deste, você pode estudar bends corretamente dentro do seu carro. Afinal, como carregar o trambolho de um teclado de um lado pro outro?

quer uma boa dica prá treinar seus bends? compre uma belezinha dessas.

quer outra boa dica prá melhorar na gaita? pegue aulas.

polarização?

desde o surgimento da Bends, o mercado de gaita no Brasil deu uma grande renovada e vários gaitistas, quase todos os nomes mais conhecidos já se encontram sob as asas de uma das duas fábricas.

o endorsement é uma via de mão dupla. gaitistas fornecem feedback seus e de seus alunos às fábricas, que em contrapartida fornecem algum apoio promocional aos seus endorsers, que por sua vez são formadores de opinião (a grande maioria leciona) e por aí vai.

aí surgem shows, eventos, pocket shows na expomusic, gente competindo para oferecer apoio aos eventos e por aí vai. É o lado brilhante da concorrência mais que saudável entre duas fábricas.

gostaria então de falar um pouco do lado fosco desta concorrência.

eu tenho martelado algumas vezes que seria maravilhoso termos um SBRAH 2010, organizado e gerido por gaitistas e aficcionados, com o possível apoio e patrocínio das fabricantes de gaita. O mais próximo que conheço disto são os festivais do SESC promovidos pelo Chico Blues e pelo Flávio Guimarães (o top of mind do mercado e que não é endorser nem da bends nem da hering) e o festival harmônicas Brasil, no nordeste, com QG em Fortaleza, no Ceará, promovido pelo Roberto Maciel.

não quero dizer que festivais da bends e da hering não seja ótimos, pq a gaita sempre esteve com menos espaço do que gostaríamos :-) [e sempre estará, creio]

mas meu medo é que, por exemplo, o Minas Harp não traga gaitistas endorsers da Hering pq o Ferrari é endorser Bends, ou que o festival em blumenau tenha algum tipo de preconceito com concorrentes endorsers Bends por ser patrocinado pela Hering e etc.

eu sei que iniciativas que vêm dos gaitistas, independentes das fábricas, irão ser mais propensas à imparcialidade, mas realmente eu temo um pouco pelas intrigas e fofocas do tipo "eu não queria falar mal de tal gaitista endorser da minha concorrente, mas..." pq é um mercado cheio de egos, por mais que digam na nossa frente que são todos uma grande irmandade de amantes do blues e da gaita.

e não é exclusividade nossa. já ouvi falar de bobagens do tipo fora do Brasil tb.

por isso, volto a bater na tecla. o SBRAH deve ser dos gaitistas, de preferência os amadores, o que têm menos rabo preso com as fábricas. Tomara que haja e tomara que seja assim. Vejamos.

Expomusic, Toots e etc

enquanto isso, em SP, temos esta semana a expomusic com vários pocket shows de endorsers Bends e Hering, o provável lançamento das gaitas bends no mercado, shows do Toots em sampa e, o mais importante, deve estar abrindo o buteco de um gaitista amigo meu que dizem que cozinha muito bem ;-)

se eu pudesse, eu estava em SP uma hora dessas. mesmo.

mas este é um ano de restrições pro Kenji, ainda pagando as prestações de sua casa própria :-)

o Kenji tem paciência e deseja tudo de bom a todos que tiverem a felicidade de ir à expomusic este ano e um grande abraço aos amigos que estarão tocando em ambos os stands.

a programação da expomusic vc confere no blog do Sérgio

Programação da Bends

Programação da Hering

festival em Blumenau

Olá a todos

gostaria aqui de divulgar o Primeiro Festival de Harmônicas de Blumenau: o Bluesmenau.

www.bluesmenau.com.br

No festival teremos shows de grandes gaitistas como Mad Cat, Hand Singer, Mariano Massolo, Big Chico,
Jefferson Gonçalves, Otavio Castro e outros.

Também teremos clínicas voltadas ao conhecimento com temas como:

- Formação de Grupos de Gaita, Clínico: Troupe da Gaita
- A gaita no Tango, Clínico: Benevides
- Manutenção da Harmônica, Clínico: Ronald da Gaita
- Harmônica Cromática, Clínico: Staneck
- A Gaita no Jazz, Clínico: Randy Singer
- A Evolução da Harmônica como Instrumento Musical, Clínico: Fabrício Casarejos
- Cromatismo, Clínico: Otávio de Castro
- Técnicas de Blues, Clínico: Jefferson Gonçalves
- Blues Tradicional, Clínico: Big Chico e Clínico: Gonzalo Araya
- Blues Contemporâneo, Clínico Alex Rossi
Clínico Nicholás Smoljan
Clínico Mariano Massolo
-Evolução do Blues nos E.U.A Clínico Mad Cat

e é claro como festival teremos o concurso de todos com os gaitistas q se inscreverem e passarem pelo processo seletivo. As categorias serão Jazz, Blues, Clássica, MPB e Grupos.

Note que todos os gêneros são permitidos desde tenham gaita como elemento principal de sua criação. Para maiores detalhes entrem no site do festival.

É isso ai, será um prazer te-los presente.

Um grande abraço e um bom timbre

Fabricio Casarejos


Dias 2 e 3 de Novembro

Darth Vader plays the Blues

segunda-feira, 24 de setembro de 2007

RIP Gary Primich

From: Michael Rubin
Date: Sep 24, 2007 8:29 PM
Subject: [Harp-L] RIP Gary Primich
To: d d d harp-l


I am basing this email on a call from an Austin drummer friend of mine. He had no information on how or why Gary passed.

Just two days ago Gary and I were talking. He was the harp player for The Mannish Boys before his solo career and he had copies on the two albums. He was going to meet me last Thursday to hand them to me. He flaked, we talked on Saturday, did not set up another handoff date but suggested this week. He seemed happy and friendly.

In 1993 I decided to move to Austin Texas. A harp playing friend of mine put on the first couple of Primich records and said to look for Gary. I could tell he was a great player. I saw him within my first month of moving to Austin and he was great. I could tell he was just going to get better and I remember telling him that he would become one of the best of his generation. He proceeded to do just that.

Gary put out multiple solo albums. He toured the world, doing all of his own booking and bandleading. He taught at multiple conventions and I took lessons from him at Elkins, Kerrville, SPAH and privately. I consistently told people that Gary was the strongest player in Austin, save for James Cotton who either lives in Austin or nearby Bastrop.

Although he struggled with the pitfalls of the road, he recently cleaned up and told me that he had found God. There was definitely a brighter, happier Gary in the last couple of years.

Many times I would see Gary live and marvel at his ideas, tone, phrasing and overall professionalism. He was a musician's musician, and I salute him.

Michael Rubin
Michaelrubinharmonica.com

From: Michael Easton
Date: Sep 24, 2007 10:01 PM
Subject: [Harp-L] re: Gary Primich
To: Harpl list harp-l


His website confirms his passing on Sept. 23.

I always loved his tone and would sit as close to the stage as I could when he came to town.
I use to joke with him about being his third testicle because I would hang down front when he played. lololol.

I studies his hands more then his music. He was my biggest influence for coloring tone using hand movements with a mic. Built and fixed a few chromes for him over the years.
It's been 2 years since I've seen him.
It looked like life on the road was catching up to him then. He will be sorely missed.

mike

quarta-feira, 19 de setembro de 2007

+1 samba na cromática na área

vocês já devem ter ouvido falar do Solar, o lugar onde sempre rolam as barbearias.

o que vocês ainda não devem ter ouvido falar é que às sextas rola um sambinha com cromática do Rafael Sol, que também é dono da casa.

o cara é sério. vamos prestigiar!

PS. eu não sei se tá rolando TODA sexta, mas sei que tá rolando SEMPRE. Melhor ligar pra conferir ou acompanhar a programação da casa na comunidade do orkut

Sexta - 19h
Sambinha Tradição (chico, bosco, noel, nelson cavaquinho...)
$5, entrada (ATÉ 20 HORAS MULHER NÃO PAGA)
Rua Bernardo Monteiro, 60 – Floresta

4062-7686 (novo fixo)
9642-9697
solar.educar@gmail.com
msn: ruculasolar@hotmail.com

terça-feira, 18 de setembro de 2007

Encontros inusitados


Estava eu a na Exhibition Road a caminho da biblioteca do Imperial College aqui em Londres quando vejo uma face familiar à minha esquerda. Era o Philip Achiles, gaitista britânico ainda bem jovem, mas que já tem excelente e merecida fama no mundo da gaita cromática.
Eu o vi de relance durante o World Harmonica Festival 2005 em Trossingen, mas não acho que tenha chegado a conversar muito com ele. Aliás, ele foi campeão absoluto nesta competição.
Descobri que ele está estudando saxophone no Imperial College, mas pretende ver se o deixam estudar gaita também. Bem, para quem já tocou no Royal Albert Hall com orquestra completa e transmissão pela BBC, acho que não será muito difícil convencer os professores.
Êita mundão sem porteira pequeno demais da conta!

e as gaitas Bends?

o Sérgio perguntou se a expomusic seria o lançamento das tão esperadas gaitas bends.

A expomusic tá aí do lado, no início de Outubro. E a bends me parece silenciosa, como se estivesse preparando alguma coisa.

Opinião pessoal? Acho que vai.

Mas se for, é só o começo da briga ;-)

E eu quero a Juke ;-)

tributo aos Ford

lembra que eu falei do DVD do Tributo aos Ford, filmado em sampa com o Carlini e o Eberienos?

pois então, rolou de ouvir uma prévia. obviamente não rola de colocar aqui, mas deu prá ver que o pessoal não está prá brincadeira não. A Blue and Lonesome deles tem mais de 10 minutos e solos muito bons.

nós que aqui estamos, pelo DVD aguardamos ;-)

e parece que o segundo DVD do Carlini também tá no forno. Parece que tem um duelo bem legal com o Fernando Ricco "Gaitagroove". Aqui em casa tem um duelo dele com o Eberienos filmado que mostra que nenhum dos dois é moleza de encarar num duelo. Um dia a gente joga no youtube. ;-)

segunda-feira, 17 de setembro de 2007

Cidadania e Blues

UPDATE 2

no fim das contas, fica a lição. Este blogueiro deveria ter averiguado melhor os fatos.

a culpa era do orkut. este post foi anulado

UPDATE 1

sobre o post anterior, do Shellão, recebi agora a seguinte mensagem

É não sei o q tá acontecendo, (...) Sumiu tudo q postei em todas as comunidades.


(Inclusive na comunidade da banda dele)

então antes do Kenji se solidarizar, vamos averiguar, prá evitar os mal-entendidos

foi bom não citar nomes nem comunidades afinal...

mas vou manter o post anterior de toda forma, até que se resolva essa confusão

vou pedir desculpas a quem quer que tenha se ofendido nessa história (espero que ninguém) e se for confirmado o mal-entendido, vou apagar o post abaixo, ok? (aviso em respeito a quem comentou)




não dizendo que o mercado de música em BH seja melhor ou pior que o de outros lugares, mas de vez em quando, eu vejo as pessoas me contando as baixarias, as furações de olho e afins e agradeço aos céus por ser um músico AMADOR e DE FIM DE SEMANA, e ganhar a vida com a computação.

hoje recebi um triste email do Shellão, guitarrista do ótimo Loretta Funkenstein

O grupo Loretta está sendo sabotado por uma pessoa de alma muito pequena que deveria ser um irmão nesse mundo. Fui expulso sem nenhum motivo das comunidades X, Y, W e Z, e os anúncios do grupo são deletados não interessa quem os tenha postado, eu tenho sofrido uma certa MÁ FÉ desse sujeito de poucos amigos que eu conheço a X anos e que está me prejudicando por que esse é o nosso maior meio de divulgação.

Resolvi tornar público o que está acontecendo por que essas comunidades teoricamente deveriam ter a função de divulgar e promover encontros, não para ser manipulada e usada para o benefício de 1 só pessoa e de seus conhecidos (amigo não faz parte do vocabulário desse cidadão)como vem acontecendo.

Essas coisas passaram do limite e eu peço a ajuda de quem curte o grupo na duivulgação dos shows.

Muito Obrigado a todos.

Shellão.


Só posso lamentar o ocorrido, mas não posso me fazer de surpreso. Quando a gente começa a ver mais de perto o que acontece no mercado aqui em BH, vc percebe as fofoquinhas, os bares onde vc deixa o CD e não toca pq tal artista já toca ali e tem medo que você pegue o filão dele, então falam mal de você pelas costas (e sorri pela frente, claro).

Aquela velha coisa do "tudo o que promove o blues em BH que tenha o meu dedo ou defenda o meu interesse é bom".

No orkut então, a falta de regras mostra exatamente o que acontece com as pessoas quando elas recebem um pouco de poder nas mãos. Você exerce os valores que vc acredita. Se vc é um idealista e acredita que o orkut deve ser igualitário, público e democrático, vc o faz ser assim, senão, você faz exatamente o que fazem vários de nossos políticos: usa as comunidades para fins próprios. E alguns ainda batem no peito e dizem "tal comunidade não é uma democracia, o dono dela é fulano".

Houve até quem comparasse a moderação de comunidade do orkut ao pai estabelecendo limites para seus filhos. Achei perfeita a comparação, pq [1] uma criança não tem julgamento e o pai precisa mesmo ter limites estabelecidos, isso se chama educação e [2] pessoas que discutem no orkut não são, em sua maioria, crianças, e pressupor que o moderador tem mais julgamento que o membro normal da comunidade é dizer, basicamente, que o membro é burro e moderador é inteligente. Neste caso, o senador X deveria mesmo ser absolvido, afinal, ele está bem acima de nós na hierarquia, não é mesmo?

Isso é herança da ditadura brasileira, onde o governante manda e o povo obedece. Hoje em dia, deixe-me contar a última moda chamada democracia, o político é um SERVIDOR PÚBLICO, o que significa que ele DEVERIA trabalhar em prol de quem o elegeu. Na democracia, isso funciona do Presidente da República ao Síndico do prédio. O síndico não faz o que ELE quer, mas o que OS CONDÔMINOS querem. Preciso explicar agora para que servem os moderadores do orkut?

Nossa sociedade também não PRECISA ser uma democracia, mas PREFERIMOS que seja pq achamos que embora não seja perfeito, é mais JUSTO e famorece à MAIORIA.

Da mesma forma que eu gostaria de torcer o pescocinho de muitos políticos, eu fico imaginando o que essas pessoas, que abusam de seus pequenos poderes orkutianos, não fariam com mais poder nas mãos.

Em outras palavras, se vc tem uma faxineira que te rouba um brinco ou uma filmadora, faz diferença o valor do que ela roubou para ela perder sua confiança?

Achei o episódio lastimável, e quem lê este blog sabe que eu sou INFINITAMENTE CHATO (e me orgulho disto) com este assunto de liberdade na web. Mas olha, temos que ser, senão, as coisas não mudam neste país. E geralmente a gente não muda as coisas pedindo educadamente, infelizmente.

Mas vamos viver a hipocrisia nossa de cada dia, da nossa província do blues em BH, e sorrir uns pros outros, fingindo que está tudo bem, pq apesar de eu estar acompanhando o blues de perto em BH há pouco mais de 10 anos, o bom observador vai reparar que poucas bandas surgiram neste período na cidade, e que os poucos lugares que existem ainda são monopolizados. É este o futuro que você quer pro blues em BH? É isto que você quer pros próximos 10 anos?

Eu faço barbearia. Existem vários outros fazendo a parte deles também. Se vc curte o blues, faça por onde, pq estamos precisando de sua ajuda, seja ela qual for.

sexta-feira, 14 de setembro de 2007

quinta-feira, 13 de setembro de 2007

Gaitas comestíveis

Fim-de-semana passado eu dei um pulinho em Utrecht, na Holanda, pro casamento de um amigo e gaitista que conheci há um ano. O bolo, como não podia deixar de ser, tinha gaitas de marzipã como decoração. Eu ganhei uma inteirinha só para mim.


Na saída cada convidado ganhou uma gaita chaveirinho. E todos se divertiram muito com o presente.

E sábado tem Brendan Power aqui em Londres.

Lorettão + Pedro Kokaev!

Que o Pedro toca bragaralho, não é novidade nenhuma.

A novidade aqui é o show do chamado "Lorettão", como a Hilmara mesma chama a formação de banda completa do Loretta Funkenstein. Altamente recomendado!

Com mais de 12 anos de estrada e ampla experiência musical, o grupo de Soul Music Loretta Funkenstein , apresenta seu show intitulado Loretta`s Blues , Shello Silveira(Guitarra, voz e arranjos) e Hilmara fernandes (Vocal) acompanhados por Christian Weber (Bateria) , Gilberto Medeiros (Baixo) e Pedro Kokaev (Harmônica), apresentam um repertório calcado em clássicos de divas como Etta James e Koko Taylor, tudo com muito swing e feeling que é a marca do grupo.

Dia 22 de setembro Sábado na Utópica Marcenaria,

Av. Raja Gabáglia, 4700 - Santa Lúcia

* O show começará impreterívelmente às 23:00 Hs

Para conhecer o grupo:

http://www.audiostreet.net/lorettafunkenstein
http://www.myspace.com/lorettafunkenstein

quarta-feira, 12 de setembro de 2007

do CD para o vídeo

Gravação do DVD "André Carlini e Lado Black"

Nessa sexta feira dia 14 de setembro, vou gravar meu DVD ao vivo na EM&T e o melhor é que será de graça, ou melhor, 1kg de alimento.
Farei um Repertório bem eclético, tocaremos Clássicos do Jazz com Versão Funk Groove, Maceo Parker, João Bosco, Liquid Soul, Pat martino, entre outros
A EM&T fica na Av. Engenheiro George Corbisier, 100 CEP 04345-000 - São Paulo / SP
Tel.: (011) 5012-2777
www.emt.com.br
Entrada 1Kg de alimento
às 19h30min


é o segundo DVD que do André Carlini este ano. Alguns meses antes, foi o tributo aos Ford, com Rodrigo Eberienos, que me parece que deve ser lançado até o fim do ano.

até então, o que tenho visto, basicamente, é que a maioria dos gaitistas não têm material profissional em vídeo, enquanto o Chico Blues aumenta seu estoque filmando com exclusividade os eventos que ajuda a produzir, como o do SESC Pompéia. Em plena época de youtube, quando ter uma ilha de edição não custa mais 20.000 reais, mas talvez 1/4 disso.

outra pessoa que tem utilizado com certo sucesso os recursos da rede é o Ferrari, dando aulas via skype. Não é tão bom quanto uma aula ao vivo, mas é interativo o suficiente para atender a demanda de quem vive longe dos grandes centros.

eu mesmo tenho filmado alguns shows, desde que eu comprei uma miniDV em Abril do ano passado. Me parece que o Morenno, em Santos, também comprou uma. me parece uma tendência. uma boa tendência.

terça-feira, 11 de setembro de 2007

Rodica + Ferrari sexta

"Música no Belas" entra em cartaz nesta sexta-feira com RODICA BLUES BAND, uma das maiores revelações do Blues dos últimos tempos.

Confira!

Nesta sexta-feira, dia 14, à partir das 22:00 h, RODICA BLUES BAND se apresenta no Música no Belas.

Ao som da guitarra de Augusto Rennó, da gaita de Leandro Ferrari e da inconfundível voz de Rodica, os clássicos de Nina Simone, Janis Joplin passando por B.B.King, Norah Jones, Diana Krall e Led Zeppelin prometem surpreender os ouvidos atentos.

Nascida nos Estados Unidos, a cantora teve o primeiro contato com a música durante sua infância na cidade de Boston. Aos 16 anos viajou para a Rússia no programa entre artistas “Artistas pela Paz” onde deu shows e participou de várias manifestações culturais e artísticas. Nos últimos anos, Rodica trabalhou no México, Honduras, Guatemala, Colômbia e Brasil, onde conheceu de perto a diversidade da música latino-americana. Radicada no Brasil há dez anos, Rodica desenvolve um trabalho de pesquisa da música popular norte-americana e estuda gêneros musicais como o jazz, blues e pop rock.



BLUES

O blues é uma forma musical vocal e/ou instrumental que se fundamenta no uso de notas tocadas ou cantadas numa frequência baixa, com fins expressivos. Nos Estados Unidos surgiu a partir dos cantos de fé religiosa, chamadas spirituals e de outras formas similares, como os cânticos, gritos e canções de trabalho, cantados pelas comunidades dos escravos libertos, com forte raiz estilística na África Ocidental. Suas letras, muitas vezes, incluíam sutis sugestões ou protestos contra a escravidão ou formas de escapar dela.

O Blues tem exercido grande influência na música popular ocidental, definindo e influenciando o surgimento da maioria dos estilos musicais como o ragtime, jazz, rhythm and blues, rock and roll e música country, além de ska-rocksteady, soul music e influenciando também na música pop convencional e até na música clássica moderna.

Couvert: R$ 8,00 (mediante pagamento de couvert cessão de meia-entrada para qualquer filme em cartaz no Usiminas Belas Artes Cinema) . Endereço: Rua Gonçalves Dias, 1581 - Lourdes.

Informações: www.embracine.com.br Reservas: 3222-8960 com Rogério


Rodica é uma revelação do blues, pelo menos prá mim, desde 2002...

Mas vale a pena assim mesmo ;-)